Roda de samba em São Paulo também é tudo de bom. Depois de oferecer uma lista completa das 10 rodas de samba tradicionais do Rio de Janeiro e selecionar uma lista com as 15 rodas de samba imperdíveis do Rio de Janeiro agora chegou a vez de fazer um giro sobre as 10 rodas de samba de São Paulo que você precisa conhecer:

1 – Samba do Maria Zélia

O Samba do Maria Zélia surgiu em meados de 2008 através da reunião de amigos no Espaço de Lazer da Vila Maria Zélia.
No início era apenas festas para comemorar aniversários e outras datas especiais, mas, aos poucos aquelas reuniões festivas sempre em formado de roda de samba, foi ganhando repercussão e se transformou no Samba do Maria Zélia.
Hoje sob o comando dos Partideiros do Maria Zélia, a roda de samba se forma uma vez por mês (segundo domingo) à tarde , sempre sem fins lucrativos e com arrecadação de alimentos para destinar a creche da Vila, ajudando assim as crianças carentes do bairro.

2 – Pagode da 27

A roda de samba “Pagode 27” ou Projeto Comunidade Pagode 27, nasceu em 2005 da reunão de sambistas do Grajaú, na rua Manoel Guilherme dos Reis, conhecida como rua 27, hoje considerada uma rua de patrimônio cultural.
A roda de samba se forma todos os domingos a tarde desde 2005 e virou reduto dos amantes do samba em São Paulo. No repertório da roda Pagode 27, tem canções de sambistas consagrados de São Paulo como Waldir 59, Leci Brandão, Osvaldinho da Cuíca, Reinaldo, Cleber Augusto, Criolo, Tito Amorin, Chapinha entre tantos outros que fizeram questão de visitar o projeto na mais sua pura essência. Um deferencial da roda de samba Pagode 27 é a biblioteca 27 motivos que oferece livros em regime de empréstimo gratuitos para que os participantes da roda possam também se deliciar ou descobrir o prazer da leitura. Além desta bela iniciativa a roda de samba também tem como marca registrada a realização de vários outros projetos e campanhas sociais arrecadando, agasalhos, alimentos brinquedos.

3 -Samba da Vela

A roda Samba da Vela ultrapassou o limiar de roda de samba e se transformou na Comunidade Samba da Vela. Iniciada no ano 2000 o Samba da Vela se tornou um dos movimentos culturais mais importantes do samba paulistano tendo em sua principal figura o grande “CHAPINHA”, proporcionando espaço para que cantores de samba divulguem suas composições, fazendo dessa reunião um verdadeiro culto ao que há de mais genuíno na cultura brasileira. O nome Samba da Vela surgiu a partir da forma curiosa de estabelecer o tempo de duração das apresentações: A roda se forma e, no meio dela é acessa uma vela e, a roda dura até que a vela se consuma por completo. Assim a roda de samba segue todo um ritual: Quando a vela é acessa todos cantam o samba criado especialmente para roda: o samba “Acendeu a Vela” e há um cuidado para que ela não se apague antes de se consumir por completo. O Samba da Vela acontece todas as segundas feiras as 19h na comunidade de Santo Amaro.

4 – Samba do Congo

O Samba do Congo é uma roda de samba conhecida com o Frente de Resistência Samba do Congo. Iniciou-se em 2011 com objetivo difundir, valorizar e incentivar a arte por meio da composição musical, em especial do samba autentico, resgatando a raiz do samba paulista e a cultura afro-brasileira, promovendo assim a inserção social e cultural por meio da história do samba. A ideia é levar entretenimento saudável, educação cultural e claro inspiração aos frequentadores para que estes possam também se aventurar pelo fascinante mundo de escrever e compor sambas como uma forma de ligar as nossas raízes culturais ancestrais ao momento presente para fortalecer a consciência e identificação das nossas origens e perpetuar a autêntica expressão da nossa cultura, o samba. Assim a roda Samba do Congo se forma todo sábado, geralmente a tarde na Freguesia do Ó (rua Manoel de Souza Azevedo 48).

5- Samba da 13

O Samba da 13 também conhecido como Samba do Bexiga é uma das mais antigas rodas de samba de São Paulo e acontece no alegre bairro do Bexiga, um dos mais emblemáticos berços do samba de São Paulo. O Samba da 13 acontece a quase 50 anos sem qualquer recurso financeiro e é organizado pela própria comunidade do Bexiga que faz questão de preservar a cultura popular mantendo a história do samba que o bexiga. Aliás a história da relação do bairro do Bexiga com o samba já foi foco de reportagem do Sambando.com que você confere aqui. O repertório de samba de raiz desta maravilhosa roda de samba é comandado pelo grupo Madeira de Lei e acontece geralmente na sexta-feira a noite ou no sábado a tarde, mantendo viva a tradição do samba do bexiga como forma de entretenimento saudável e a proposta de ocupação do espaço público com organização e cidadania. Assim além de muito samba a roda também cumpre o seu papel social arrecadando donativos para casas de acolhimento de comunidades carentes.

6 – Terreirão – SP ( #Rodadesamba )

O Terreirão SP surgiu em 2002, através de um projeto musical idealizado por Valdir Leite, produtor de eventos e criador da marca, passando a realizar alguns eventos em bares noturnos, colocando atrações musicais, mas sempre fortalecendo o nome Terreirão SP como ícone de valor agregado.
Em 2018, fortaleceu junto a amantes do bom e velho samba de raiz o formato da marca como “Roda de Samba” com o produtor de eventos José Mariano criador do Coletivo “Samba Rock de Rua” e vários outros projetos em quadras de escolas de samba.
Sambistas tradicionais foram se unindo e junto com a comunidade do samba paulista formaram uma roda de samba autêntica e popular, onde se costuma bater na palma da mão e exaltar a alegria, diversidade e toda energia que o samba nos proporciona.

7 – Terreiro dos Compositores

O Terreiro de Compositores é um movimento cultural da Zona Leste de São Paulo, onde sambistas e compositores se reúnem semanalmente para expor seus sentimentos em forma de letra e melodia, cantando sambas autorais que são acompanhados pelo público através de um caderno. O Terreiro de Compositores é um espaço aberto ao compositor para expor seus sambas, fazer novas amizades e trocar experiências. É um movimento que defende a bandeira do samba, de maneira que a obra do compositor saia da gaveta e ecoe na voz do povo.
Com 2 anos de atividades culturais o Terreiro de Compositores chega ao seu 6º Caderno de Sambas Autorais, totalizando mais de 120 músicas de diversos compositores. Alguns desses sambas já foram gravados pelo sambista e compositor Emerson Urso, pela Academia de Samba da Zona Leste e pelo sambista e compositor Lão Gomes, integrante do Terreiro de Compositores, em seu CD Solo. A roda de samba se forma no Skina Bar sempre aos sábados a tarde.

8 – Camisa Verde e Branco

A quadra da Camisa Verde e Branco virou sinônimo de Roda de Samba todo sábado a tarde. Desde a época da Roda de Samba batizada como Botequim do Trevo que reunia os mais velhos compositores da Escola e deu origem a Velha Guarda da Verde e Branco, as tardes de sábado da quadra são sempre repletas de uma boa roda de samba. Hoje a roda cresceu e cresceu muito e, a cada final de semana trás convidados especiais para rodas de samba inesquecíveis. A quadra da Verde e Branco fica na Rua James Holland, 663.

DEIXE UMA RESPOSTA

Entre com seu comentário
Por favor, digite seu nome