mocidade-texto-sambandoEm 1955, o time de futebol Independente Futebol Clube transformara-se em bloco, participando de um concurso de blocos em Padre Miguel, promovido pelo falecido político Waldemar Vianna de Carvalho. Como houve um empate entre a Mocidade Independente e o Unidos de Padre Miguel, Waldemar resolveu as coisas de modo diplomático, considerando a Mocidade uma escola de samba e dando-lhe o primeiro lugar na categoria, premiando assim o Unidos de Padre Miguel como melhor bloco.

Em 1956, apresentou o enredo “Castro Alves”, novamente num desfile local. Em 1957, participou pela primeira vez do desfile oficial no Rio de Janeiro, com o enredo “O Baile das Rosas”, quando tirou um 5° lugar. No ano de 1958, foi campeã do segundo grupo com o enredo “Apoteose ao Samba”. De 1959 em diante passou a integrar o grupo principal e não desceu mais.

Em 1959, a bateria, sob a batuta de Mestre André, deu pela primeira vez a célebre “paradinha” em frente à comissão julgadora, mantendo o ritmo para que a escola continuasse evoluindo. O povo passaria, mais tarde, a acompanhar tal “bossa” com o grito de “Olé”.

Durante este período, a Mocidade era conhecida como “uma bateria que carregava a escola nas costas”, pois a bateria era mais conhecida do que a própria escola, que só alguns anos depois teria condição de competir com as grandes da época (Portela, Império Serrano, Salgueiro e Mangueira).

No ano de 1974, com o carnavalesco Arlindo Rodrigues, apresentou o enredo “A festa do Divino”, tirando um 5° lugar.

Desde então, a escola deixava de ser conhecida apenas por sua bateria, para impor-se como grande escola de samba. Em 1975, a Mocidade vence pela primeira vez as “quatro grandes”, num desfile realizado em outubro durante o congresso da ASTA – American Society of Travel Agents, no Rio de Janeiro.

Em 1976, por ironia, a Mocidade empatou em segundo lugar, com a Mangueira, e perdeu o desempate por ter um ponto a menos na nota da tão famosa bateria nota 10. Em 1979, ainda com Arlindo Rodrigues, a Mocidade conquista o seu primeiro campeonato com “O Descobrimento do Brasil”.

No ano seguinte, assumiu o carnaval Fernando Pinto, produzindo desfiles excepcionais na Mocidade e projetando-se como um dos mais criativos e inventivos carnavalescos já conhecidos.

No primeiro ano de Fernando Pinto na Mocidade, em 1980, a escola conquistou um segundo lugar com o enredo “Tropicália Maravilha”. Em 1983, a Mocidade recebe o Estandarte de Ouro de melhor comunicação com o público com o enredo “Como era verde o meu Xingu”. Fernando permaneceu na escola até 1988 e fez grandes carnavais na Mocidade na década de 1980: além de “Tupinicópolis”, deu à escola o título de 1985, com “Ziriguidum 2001”. Nesse carnaval, a Mocidade entraria na Avenida com um enredo futurista, projetando o carnaval do próximo século.

A nova virada na história da Mocidade aconteceu em 2014 com a gestão liderada por Rogério de Andrade, sobrinho do eterno Castor de Andrade, Wandyr Trindade (o vô Macumba), Rodrigo Pacheco, e uma equipe de profissionais dispostos a reestruturar, profissionalizar, modernizar e colocar a escola novamente no caminho dos títulos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Entre com seu comentário
Por favor, digite seu nome