Numa campanha inédita,  ONGS, comunidades, ativistas e artistas se uniram em Mogi das Cruzes-SP, para realizar em conjunto os  “21 dias de Ativismo pelo Fim do Racismo e da Violência Contra a Mulher”.

É a primeira vez que a articulação “Mogi sem Racismo e sem Violência contra a Mulher” realiza o evento na cidade, que prevê ações simultâneas de divulgação e mobilização política e social em defesa de uma sociedade mais democrática, igualitária e que respeite as diferenças. A programação é composta por debates, atividades culturais e intervenções, que acontecerão durante os 21 dias. Toda a programação é aberta ao público.

O evento começou no  dia 5 de março, com uma roda de conversas, seguiu com  exposição fotográfica sobre a violência contra a mulher em diferentes aspectos: física, verbal, psicológica e racista e  encerra-se no dia 25, quando será lançado o Manifesto pelo Fim do Racismo e da Violência contra a Mulher, que será construído a partir das contribuições que surgirão nos diálogos durante os 21 dias de campanha.

A realização do “Samba-Manifesto” tem como objetivo arrecadar fundos para a ONG Recomeçar, única instituição no município de Mogi das Cruzes que abriga mulheres (acompanhadas de seus filhos) vítimas da violência e ameaçadas de morte.

O samba começa às 11h, com uma feijoada na quadra do Grêmio Recreativo Escola de Samba Unidos da Vila Industrial e contará com a participação de diversas cantoras, compositoras, instrumentistas, artistas e ativistas que apoiam o movimento pelo fim do racismo e da violência de gênero.

DEIXE UMA RESPOSTA

Entre com seu comentário
Por favor, digite seu nome