Apresentação Grupo Cultural Zé e Maria (malandragem carioca)

Saudações Caríssimos leitores do Portal Sambando. Na forma mais do que literal,  eis o Malandro na praça outra vez.

Começo hoje, com uma pergunta: todo malandro é devoto de São Jorge?

Em um misto de tempo bom e tempo ruim, entre fogos e alvoradas em reverencia e devoção, sabemos que dia 23 é dia de São Jorge.  Mas  como  o bom malandro é aquele que não tem carta perdida, não podemos deixar de lembrar, que dia 23 é  também dia nacional do Chorinho! Então é dia de celebrar em dobro!

Sendo assim, se o Papo é de Malandro vamos falar de malandragem: O colunista malandro preferido de vocês, viveu momentos memoráveis no Estado do Rio de Janeiro, quer dizer,  poeticamente falando:  Estado de São Sebastião do Rio de Janeiro!

Aliás, por falar em São Sebastião, me veio a lembrança que São Sebastião e São Jorge serviram juntos ao Exército Romano na época dos Imperadores Diocleciano e Maximiliano e  possuem historias muito parecidas: ambos eram soldados  com altíssimas patentes e foram martirizados por pregarem o Cristianismo dentro do exército, negando o culto a  Júpter , Netuno , Vênus e os Deuses locais cultuados na época e, ambos são considerados Padroeiros da cidade maravilhosa do Rio de Janeiro! É curioso pensar nisso as vezes…

Ah enrolei o assunto não é?  Bem, nesta data festiva de São Jorge e do Chorinho, no Estado de São Sebastião do Rio de Janeiro,   após uma exaustiva gravação de 1 minuto de Samba, seu colunista querido,  futuro Embaixador do Retorno cultural da Malandragem Carioca, dedicou o dia a celebrar esta data especial do jeito que todo malandro gosta:

Convidado pelo Ilustre Mestre da malandragem da Velha Guarda da GRES União da ilha do Governador Sr. Claudemir de Oliveira, o malandro que vos fala,  esteve com seu grupo Cultural Zé e Maria, em várias apresentações marcantes.

Abro aqui um parêntese,  para dizer que o Grupo Cultural Zé e Maria é único: Isto porque,  nos dedicamos a propagar a raiz cultural da malandragem carioca em apresentações e interpretações teatrais,  que trazem uma mistura de luta, dança e acrobacias com uma variedade de artistas que interpretam personagens do Rio Antigo, assobiando e chupando cana!

E não é por nada não Malandro, mas estou orgulhoso pelo desdobramento do Grupo no dia  do Santo Guerreiro:

Primeiro Central do Brasil no Trem do Choro. Isso mesmo, no Rio de Janeiro não tem só o Trem do Samba não! O Trem do Choro, ou chorinho como preferem alguns, também parte da Central do Brasil em homenagem ao  ritmo e vertente de grandes mestres como Pixinguinha e Dilermando Reis.

A propósito, qual malandro nunca riscou o Chão ao Som de Brasileirinho chorado nas cordas de um bom cavaquinho?

Após o Trem do Choro, seguindo para a Praça Ramos da Figueira no bairro de Olaria onde viveu Pixinguinha, tivemos a honra de participar da homenagem ao Choro e a São Jorge com o também Grupo Cultural   “100% Suburbano” que é nativo do local. A apresentação rendeu nossa “careta” em vários jornais e TVs.

Pra fechar o dia com chave de ouro, saímos de lá direito para a feijoada de São Jorge no tradicionalíssimo Clube Renascença no Andaraí, onde nos apresentamos  para mais de 2000 pessoas.

Bem,  retomando a pergunta que fiz no início deste nosso, papo de malandro,  posso confessar-lhes uma coisa: não sei se todo malandro é devoto de São Jorge,  exemplo e símbolo de luta , batalha, vitória e conquistas, mas ele nos ajudou muito nesse dia!

Salve Jorge !

Salve o Chorinho!

E Salve Pixinguinha ícone do samba e da malandragem.

Ps: Aproveitando aqui a deixa, convido vocês a seguir a Página do “Grupo Cultural Zé e Maria” no Facebook! Vê se aparece hein!?

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Entre com seu comentário
Por favor, digite seu nome