Projeto usa Samba para tratar transtornos psiquiátricos

Criado em 2014 pelo Núcleo de Educação do Museu, o projeto África ao Samba, a partir da análise das influências africanas no samba brasileiro, atende pessoas com transtorno psíquico em seus mais variados níveis.

Inclusão, respeito e dignidade são alguns dos conceitos norteadores da missão do Museu Afro Brasil. O projeto África ao Samba,  a partir da análise das influências africanas no samba brasileiro, atende pessoas com transtorno psíquico em seus mais variados níveis afim de promover a reintegração social deste público por meio de oficinas que exploram a história social do samba, tendo o acervo e as exposições temporárias da instituição como eixos organizadores das atividades.

“O projeto possibilita que os participantes tenham condições de se apropriar de seus territórios e que possam ter acesso ao que por ele é ofertado. Ainda que alguns dos atendidos estejam acometidos por graves comprometimentos mentais, a experiência do África ao Samba tem um agudo potencial educativo e terapêutico, uma vez que as visitas e discussões ajudam os participantes a trabalharem suas elaborações, representações e significações, contribuindo na promoção de saúde mental. E o resultado vem sendo muito satisfatório no que diz respeito a socialização dos atendidos”, destaca o assistente de coordenação do núcleo de educação do museu, Márcio Farias. Esta percepção também é sentida pelos próprios participantes do projeto, como revela a usuária Madalena Felippe. “. Minha autoestima foi lá pra cima. Não tenho mais vergonha de ser atraída pelo som dos tambores, seja por diversão (o samba) ou pelo som dos atabaques (religião), da umbanda, do candomblé. Sou uma mistura de tudo isso”.

Segundo o Museu Afro Brasil, em quatro anos de existência, cerca de 40 pessoas atendidas por unidades de saúde mental do município de São Paulo, tais como as unidades do CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) Itaim, Butantã e Sé, além do Cecco (Centro de Convivência e Cooperativa) Previdência e Ibirapuera, já passaram pelo projeto.

Deixe seu recado

porntt free porn adultpicsxxx.com