Emília Savana da Silva Borba, nasceu no Bairro da Mangueira, na cidade do Rio de Janeiro em 31 de agosto de 1923. Era filha de Eugênio Jordão da Silva Borba e Edith da Silva Borba.

Ainda menina e contrariando um pouco a vontade de sua mãe, apresentava-se em diversos programas de auditório e de calouros. Ganhou seu primeiro prêmio, aos 14 anos, na “Hora Juvenil”, da Rádio Cruzeiro do Sul. Cantou também no programa “Calouros de Ary Barroso”, obtendo a nota máxima ao interpretar “O X do Problema”, de Noel Rosa. Logo depois, começou a fazer parte dos coros das gravações da Columbia.

Formou, na mesma época, uma dupla com Bidú Reis (Edila Luísa Reis), chamada As Moreninhas. A Dupla se apresentou em várias rádios, durante cerca de um ano e meio. Logo depois, a dupla gravou para a “Discoteca Infantil” um disco em 78 RPM com a música “A História da Baratinha”, numa adaptação de João de Barro. Desfeita a dupla, Emilinha passou a cantar sozinha e foi logo contratada pela Rádio Mayrink Veiga, recebendo de César Ladeira o slogan “Garota Grau Dez”.[1]

Em 1939 foi convidada por João de Barro para participar da gravação da marcha Pirulito cantada por Nilton Paz, sendo que no disco seu nome não foi creditado, apenas o do cantor.

Em março do mesmo ano grava, pela Columbia e com o nome de Emília Borba, seu primeiro disco solo em 78 RPM, com acompanhamento de Benedito Lacerda e seu conjunto, com o o samba-choro Faça o mesmo, de Antônio Nássara e Eratóstenes Frazão e o samba Ninguém escapa de Eratóstenes Frazão.

Ainda em 1939, foi levada por sua madrinha artística, Carmen Miranda, de quem sua mãe era camareira, para fazer um teste no Cassino da Urca. Por ser menor de idade resolveu alterar sua idade para alguns anos a mais. Além disso, Carmen Miranda emprestou-lhe um vestido e sapatos plataforma. Aprovada pelo empresário Joaquim Rolla proprietário do Cassino da Urca, foi contratada e passou a se apresentar como “crooner”, tornando-se logo em seguida uma das principais atrações daquela casa de espetáculos.

Em 1939 atuou no filme “Banana da Terra”, de Alberto Bynton e Rui Costa. Esse filme contava com um grande elenco: Carmen Miranda, Aurora Miranda, Dircinha Batista, Linda Batista, Almirante, Aloísio de Oliveira, Bando da Lua, Carlos Galhardo, Castro Barbosa, Oscarito e Virgínia Lane, a “Vedete do Brasil”.

Em 1940, gravou com acompanhamento de Radamés Gnattali e sua orquestra os sambas “O Cachorro da Lourinha” e “Meu Mulato Vai ao Morro”, da dupla Gomes Filho e Juraci Araújo. Nesse ano, apareceu nos filmes “Laranja da China”, de Rui Costa e “Vamos cantar, de Leo Marten.

No ano seguinte, assinou contrato com a Odeon, gravadora onde sua irmã, a cantora Nena Robledo, casada com o compositor Peterpan já era contratada. Já com o nome de Emilinha Borba, lançou os sambas “Quem Parte leva Saudades”, de Francisco Scarambone, e “Levanta José”, de Haroldo Lobo e Valdemar de Abreu. Gravou ainda um segundo disco na Odeon com o samba “O Fim da Festa”, de Nelson Teixeira e Nelson Trigueiro, e a marcha “Eu Tenho Um Cachorrinho”, de Georges Moran e Osvaldo Santiago.

Em 1942 foi contratada pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro, desligando-se meses depois. Em Setembro de 1943 retornou ao “cast” daquela Emissora, firmando-se a partir de então, e durante os 27 anos que lá permaneceu contratada, como a “Estrela Maior” da emissora PRE-8, a líder de audiência.

Enquanto naquela emissora, Emilinha atingiu o ápice de sua carreira artística, tornando-se a cantora mais querida e popular do país. Teve participação efetiva em todos os seus programas musicais, bem como, foi a “campeã absoluta em correspondência” por 19 anos consecutivos (até quando durou a pesquisa naquela emissora) de 1946 à 1964.

Deixe seu recado

Também no Portal Sambando

porntt free porn adultpicsxxx.com